A temática Casa Viva aplicada à Casa Cor 2018

O maior evento de decoração que acontece há mais de 30 anos continua surpreendendo: a Casa Cor 2018 abrigou como tema a "Casa Viva", incorporando muitos elementos naturais, paisagismo exuberante e as múltiplas definições do que torna o lar o nosso refúgio e a extensão de nossa alma. Repleto de espaços integrados, amplos, coloridos e vivos, a Casa Cor apresentou 3 circuitos distribuídos em 81 espaços. Abaixo vocês poderão ver um pouco mais da minha análise dos espaços que mais geraram atração.


Templo Coworking - Projeto de Fernando Brandão e Camila Bevilacqua

No espaço acima podemos ver e sentir um forte contraste do verde das plantas com a escolha da tonalidade vermelha, criando um dinamismo ao espaço destinado à convivência, troca de experiência ou o simples relaxar e contemplar do espaço que ainda tem como um maior atrativo sua iluminação zenital, que promove um ambiente ainda mais acolhedor ao anoitecer.


Na Casa Cor 2018 está presente diversos elementos da natureza, como pedras, diferentes espécies de plantas que possuem a finalidade estética, funcional (no quesito de melhor qualidade do ar, possibilidade de sombras), mas também como pano de fundo para diferentes cenários, seja ele um pequeno jardim ou grandes extensões que emolduram os ambientes internos, como é o caso da Casa Syshaus assinada por Arthur Casas:



Casa Syshaus com cenário paisagístico projetado por Arthur Casas. Foto autoral

Outro ponto muito relevante da Mostra é a tendência de exposição das peças, objetos e utensílios do cotidiano como forma de complementar a decoração e torná-la mais humanizada. A Casa Cor está com o propósito de cada vez mais humanizar os espaços ao mesmo tempo em que promove muita dramatização e cenografia, conquistando os visitantes e profissionais a se inspirar das mais diferentes maneiras. A exposição dos utensílios foi utilizada no projeto de alguns profissionais, e o destaque fica para a Casa Menir, do escritório Très Arquitetura, trazendo muito aconchego e rusticidade ao espaço:



Proposta de cozinha rústica para a Casa Menir. Foto autoral.

Texturas e combinações de cores inusitadas aplicadas em espaços sociais, públicos e até íntimos


No três circuitos propostos pela Mostra, foram utilizadas composições de cores contrastantes, seja para espaços residenciais ou públicos, como era o caso de alguns dos banheiros. A respeito de texturas e estampas, a mistura de padronagens florais com geométricos também se fez presente, incluindo até mesmo a aplicação de estampas em superfícies pouco utilizadas, como foi o caso do ambiente projetado pela arquiteta Juliana Pippi, onde o sofá tem uma tonalidade rosácea e apresenta estampa lavada em todo assento e encosto, evidenciado à peça ao restante da decoração:



Living rosa com texturas e estampas no projeto de Juliana Pippi. Foto autoral

Mix de estampas que criam um ar retrô, ao estilo de Luis Otavio Debeus. Foto autoral.


Banheiro público com utilização de diferentes cores, revestimentos e espelhos. Foto autoral

Nova linguagem o tradicional: a Casa Cor deste ano mostrou novos propósitos e finalidades de alguns materiais e superfícies para a composição final do espaço. Estamos habituados à cubas e bancadas retilíneas e uniformes em um banheiro ou uma sala de estar com uma simples mesa de centro ou composição de mesas menores. Para isso, trago como destaque o projeto de mais um banheiro público que utilizou o tecido do couro como suporte para as cubas e criou um efeito deslumbrante, unindo organicidade à autenticidade.

Em um segundo momento, temos no projeto do escritório Negrelli&Teixeira a proposta de eliminar a mesa de centro e inserir um grande bloco de pedra com água, criando uma espécie de aquário aberto com funções também de purificação do ar e até mesmo uma temperatura mais amena para o local. Confira os registros abaixo:



Banheiro com bancadas em couro estendido. Foto autoral

Pedra natural compondo um aquário no centro do espaço.


Por fim, o último destaque fica para o uso de revestimentos e materiais sustentáveis e artesanais. É o caso dos tradicionais ladrilhos hidráulicos que preencheram vários espaços da Mostra e tem como seu destaque o lado artesanal de cada peça, a tradição e a disposição diversa de cores, proposta de uma das mais tradicionais empresas do mercado, a Ladrilar. Abaixo, alguns modelos aplicados nos ambientes da paisagista Catê Poli e a arquiteta Naomi Abe:



Área externa com os ladrilhos modelo Melancia, assinado por Catê Poli.


Detalhe sala de jantar com ladrilhos hidráulicos no projeto de Naomi Abe.



1 visualização

NATHALY DOMICIANO |superfícies e interiores

2020 | Todos os direitos reservados

São Paulo, Brasil - (+55) 11 93330 5664